Lucas Balardin, hoje na Inter de Limeira, relembra sua trajetória no futsal

O futsal mais uma vez provou sua capacidade de produzir bons valores, que já há muito tempo, brilham nos gramados de todo o mundo. Em Limeira, interior de São Paulo, não é diferente. Além do Brutos Futsal, equipe que estreou na elite do futsal paulista em 2020, a cidade também é conhecida nacionalmente por conta da AA Internacional, campeã paulista de futebol em 1986.


Na época, o time comandado pelo técnico Pepe, contava com grandes nomes, dentre eles, Silas (goleiro), Kita, Peco, Lê, Kita, Juarez, Tato e Gilberto Costa. A grande final, diante o Palmeiras, foi no Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi), com vitória do time limeirense por 2 x 1 , gols de Kita e Tato (Amarildo marcou para o Palmeiras).

Pouco mais de três décadas após a inédita conquista, a Inter de Limeira volta a apostar em jovens talentos. O zagueiro Lucas Balardin, de 25 anos, é um deles. Antes da Inter, o atleta passou pela Portuguesa Santista e Corinthians, onde tudo começou. A seguir, Balardin fala sobre o esporte em sua vida:

O Futebol esteve presente na minha vida desde quando nasci, os primeiros presentes sempre foram uma bola de futebol e a paixão foi só crescendo“.

Nas categorias de base,  o atleta trabalhou com os treinadores Fabinho (hoje comentarista da TV LPF e do Canal Band Sports no futsal), e Ricardo Gomes.  Dois técnicos de perfis diferentes, mas que tiverem grande importância na vida do jogador:

Fabinho, um cara que me ensinou tudo que sei sobre o futsal e me ajudou muito como ser humano. Ele quem me levou pra fazer teste no Corinthians com apenas quatro anos de idade. Já o Ricardo foi um cara que aprendi muito didaticamente o futsal e que me ensinou demais“.

Lucas Balardin também diz em quais fatores o futsal ajudou em sua formação:

O futsal me ensinou todos os princípios básicos do futebol que são os mais importantes nos dias de hoje. Passe, domínio, chute, posicionamento entre outros“.

A transição do futsal para o futebol foi bem precoce: “Com 10 anos, era a idade inicial de futebol de campo no Corinthians, foi quando eu comecei nos gramados. Mas fiquei jogando futsal e campo até meus 16 anos quando decidi que iria ingressar na carreira profissional nos gramados“.


Além de Lucas Balardin, outros nomes também saíram das quadras praticamente na mesma época.  O Giovanni (que foi para o Atlético/PR, o Piton, hoje no Corinthians, dentre outros). A seguir, o zagueiro diz qual a relação com esse pessoal hoje em dia:

Relação um pouco distante mas por conta da profissão. Cada um no seu clube mas sempre que nos reencontramos batemos um papo sobre o futsal“.

O atleta diz ainda, em que momento no futebol,  durante uma partida,  o futsal é usado como um recurso a mais: “O futsal está em todos os princípios do futebol em uma partida. Desde o domínio bem feito até um chute que pode decidir a partida. Quem fez futsal quando menor tem uma diferença gigante pra quem nunca praticou em uma partida“.

Lucas diz ainda quais as expectativas para 2021, levando em conta as dificuldades por conta da pandemia: “Mais um ano atípico no futebol, mas graças a Deus, empregado e com oportunidades de mostrar o nosso trabalho“, encerrou.

Bate bola:

Jogo Inesquecível: Corinthians x Banespa (Metropolitano sub-13), gol faltando 2 segundos pra acabar o jogo

Gol inesquecível: Semi-final sub-15: Corinthians x São Paulo, (gol do título)

Ídolos: Marquinhos (PSG)

Planos: Consolidar minha carreira no Brasil e com isso ter uma carreira brilhante na Europa

Foto: Divulgação/Internacional de Limeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *