De volta ao futsal paulista, craques do Brasil Kirin falam sobre este novo projeto


Os goleiros Erick, Tiago, Luan e o preparador Carlos Bracalli (Foto: Gilberto Santos)
Um verdadeiro esquadrão e já apontado por muitos com um dos favoritos aos principais títulos da temporada. Foi com este diferencial que se apresentou oficialmente o Brasil Kirin Futsal. O encontro entre elenco e jornalistas aconteceu na manhã desta segunda-feira (27), em Sorocaba (87 km de SP).

Dentre os reforços, está o experiente goleiro Erick, que retorna ao futsal paulista após defender a CSM/Jaraguá (SC), no segundo semestre de 2013:

“Sem dúvida nenhuma e um marco. Um grande investimento, com grandes jogadores e eu tenho a possibilidade em voltar para São Paulo (e isso é muito importante para mim), já que eu estava no projeto do Palmeiras e que infelizmente não teve sequência, e eu fui para Jaraguá do Sul. Eu acho que este projeto tem tudo para dar certo, por ter pessoas inteligentes, uma grande empresa por trás, uma cidade bacana, e claro, o apoio de vocês”, disse.

Sobre a distância, o arqueiro diz que tudo será mais fácil, uma vez que Sorocaba é bem próximo à capital:

“Minha esposa é de São Caetano e eu vou ficar nestas idas e vindas sempre. Isso é importante porque te dá mais tranquilidade para poder cuidar de alguns negócios e o futsal paulista, com isso, só tem a crescer, principalmente após a criação da Liga Paulista. Vai ser um sucesso e todos vão ser beneficiados”, explicou.

O fixo Rodrigo, que desde 2006 foi um dos destaques no Carlos Barbosa (RS), também fala sobre seu retorno a São Paulo:

“Volto depois de sete anos, quando estava aqui jogava em Santa Fé do Sul (um time que já não existe mais),  e voltou para uma grande empresa. No sul estava em uma grande empresa, que é a Tramontina, e agora venho para a Brasil Kirin, com um projeto ousado e eu estou muito feliz em fazer parte desde grupo, com tantos companheiros com quem tive o prazer e trabalhar juntos e outros que ainda não trabalhei, mas já conhecia pessoalmente”, comentou.

Outro nome de destaque é de Tiago Marinho, goleiro bi-campeão mundial pela seleção brasileira está de volta após uma rápida passagem pelo São José/Valesul em 2011. A seguir, o ex-camisa 2 da Krona/Joinville (SC), avalia este novo desafio:

“É muito legal. Muitos diziam que São Paulo tinha parado no tempo em relação a investimento no futsal. Começou com o Corinthians, passou pelo Santos (mesmo que tenha sido curto o percurso), Orlândia também investiu muito de uns anos para cá, e agora Sorocaba, em parceria com a Kirin e a Umbro, abrindo um ponto a mais de trabalho para nós, paulistanos em voltarmos à nossa terra e fico muito grato por isso”, ponderou.

Por se tratar de um alto investimento, Tiago também diz sobre este ‘pré-favoritismo’ na visão dos adversários:

“A ansiedade nossa é muito grande, o time no papel está muito bacana, mas vai levar tempo até que as peças se encaixem. Não temos uma base ainda, é um time novo e por mais que os atletas se conheçam de jogar contra, vamos ter que nos encaixar no jogo do Vander (Iacovino), e do Douglas (Pierrott). Espero que este tempo de adequação da equipe seja curto, para que a gente, na medida do possível, conquiste os títulos que vamos disputar”, completou.

Capitão da equipe, o ala Falcão é a peça chave dentro de todo o processo de criação da equipe. Ídolo e vencedor por onde passou, Falcão não esconde o respeito pela ADC  Intelli/Orlândia (seu último clube), mas afirma que começa um novo ciclo:

“Primeiro, o respeito do outro lado. Para mim o time de Orlândia  é muito grande, e todos sabem disso. Claro que é uma sensção diferente, mas como você falou: quando eu saí das outras equipes é porque tinha acabado e agora eu vou enfrentar minha ex-equipe. Mas agora eu estou animado, é um projeto novo e eles entenderam o porquê dessa mudança e tudo o que aconteceu comigo. Agora meu lado é Sorocaba, o respeito por Orlândia existe, quando tiver um encontro vai ser emocionante, mas nos 40 minutos é que vamos ter que esquecer isso”, falou.

Respondendo à mesma pergunta feita ao goleiro Tiago, o ala diz que o Brasil Kirin vai brigar de igual para igual:

“Eu também vejo com uma das principais equipes, entre cinco, seis ou sete. Acho que entramos com igualdade em relação aos demais. Não vejo a gente nem muito à frente nem muito atrás dos outros times. Tudo vai depender de um certo momento. Temos uma base boa, como o Tiago (goleiro) e quem olha tem um respeito diferente. Tem o Rodrigo, Ricardinho, eu, o Bruno Souza, Xuxa, Frede. A gente tem uma base muito legal, além dessa molecada que está chegando. Se a gente pegar três que dêem conta do recado, chegamos com totais condições de brigarmos pelo título”, encerrou.

A comissão técnica, formada por Reinaldo Simões (supervisor), tem ainda outros nomes com passagens pela seleção brasileira: Vander Iacovino (treinador), Douglas Pierrott (auxiliar técnico), Carlos Alberto Bracalli (treinador de goleiros) e Maurício Leandro (massoterapeuta).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *